Revisão do mês: novembro 2015

Esse é um post em que faço um balanço sobre o meu mês, contanto um pouquinho sobre o que fiz e mais gostei e o que acho que vale a pena ser compartilhado com vocês. Para ver todas as postagens dessa categoria é só acessar o Revisão Mensal.

Foto: Reprodução/ Miranti Kayess

Foto: Reprodução/ Miranti Kayess

Quando vi esses posts, do Jeremey e da Beth, recomecei a pensar que deveria voltar a publicar aqui. Achei tão legal a dinâmica que eles usam para falar sobre a revisão mensal, passo tão importante no meu GTD atualmente. Como vocês podem perceber, esses dois posts foram bem importantes para mim.

Além de voltar a postar, também resolvi trazer esse post para cá, de um modo adaptado ao meu dia a dia e ao que gostaria de compartilhar com vocês. É também uma forma de eu avançar na minha revisão mensal (quando sento para escrever, tudo fica mais claro e objetivo).

Vou seguir um padrão e fazer mais ou menos assim todo final/começo de mês . Vou contar para vocês o que fiz de mais interessante e acho que deva ser compartilhado aqui. Conforme for sentido necessidade, vou excluindo ou acrescentando categorias, mas acredito que seja mais ou menos assim, como o de hoje.

Quais foram minhas metas para novembro?

Novembro foi um mês bastante produtivo, apesar de ter sido um mês mais calmo para mim. Minhas áreas de foco resolveram dar um tempinho e, ao invés de me lotarem de coisas, como fizeram o ano inteiro, foram mais concisa e me proporcionaram um mês bem interessante.

Com isso, consegui dar uma boa refletida sobre várias coisas e encaminhar alguns projetos que estavam parados, como o blog. Além disso, pude perceber o que me deixava mais produtiva e o que deveria evitar. A exclusão do Facebook e o eterno aperfeiçoamento do GTD me ajudaram a fazer de novembro um mês bem especial.

Não vou falar aqui de cada meta que cumpri, pois acho isso bem particular, mas posso afirmar que todas com as quais me comprometi e foram possíveis de serem realizados, eu cumpri. Isso deixa uma grande satisfação. Vale a pena tentar fazer isso você também.

Quais matérias legais eu li?

Estou precisando urgentemente de sites mais legais para ler. São poucos os que eu curto o conteúdo (gosto de sites que compartilham experiências, que tenham aquela pegada pessoal e que, o principal, me façam refletir e aprender com algo).

Do Vida Organizada fica até difícil escolher apenas um. Amo como a Thais escreve, amo seus assuntos e gosto muito do jeito que ela administra o seu site (é difícil depois de tanto tempo e de ganhar certa popularidade continuar aliada aos seus ideais). Mas, sem dúvidas, o que mais me inspirou esse mês foi o post sobre como está o seu GTD atualmente.

Outro blog que gosto bastante, apesar de ser institucional, é o do Todoist. Como eles contam com postagens colaborativas, há sempre alguém interessante compartilhando um pouquinho da sua experiência com a plataforma e como ela influência na sua produtividade e na realização dos sonhos. O post que mais curti esse mês foi sobre como levar projetos paralelos adiantes.

Adoro também tudo o que a Rita do The Busy Woman and the Stripy Cat escreve. Acho ela sempre bastante inspiradora e, por ser pesquisadora assim como eu, me ajuda bastante quando fala sobre o assunto. Esse mês ela não foi tão frequente no blog, mas o post que mais me fez pensar foi sobre o sono e como ele interfere na produtividade. Para mim, é essencial dormir 8 horas por dia para ser produtiva, mas também sei que se durmo um pouco a mais que isso, já fico imprestável.

O que eu assisti esse mês?

Vou falar aqui um pouquinho sobre séries, filmes, vídeos no YouTube que assisti e que acho que vale a pena passar para frente. Quanto a séries a minha preferida do mês (e da vida) foi Grey’s Anatomy. Não consigo entender como uma série, mesmo estando na sua 12ª. temporada e com tantas baixas no elenco, consegue ainda me deixar suspirando e ansiosa para os próximos episódios.

Também assisti The Voice americano (muito amor pelos quatro jurados), mas dei uma empacada e ainda não estou atualizada com o reality. Outra série que tenho amado assistir é Vai que Cola (para quem não sabe, passa no MultiShow e está na sua terceira temporada). Os personagens são bem engraçados e todos os episódios têm uma história interessante. Acho que devemos valorizar quando o produto nacional é bacana e o Vai que Cola é bem legal.

Foi um pouco difícil lembrar dos vídeos de novembro que mais gostei no YouTube, por isso mesmo começo indicando um canal, o da Monika Blunder. Ela é uma maquiadora americana que maquia algumas famosas. Mas o mais legal é que os vídeos são sempre muito legais de assistir e com maquiagens tão simples (os produtos não) que me fazem ter certeza que menos é mais, sempre.

Esse mês (e todos os meses) assisti muito a Julia Petit. Ela, assim com a Thais Godinho, mantém a essência e trazem conteúdos sempre muito informativos. Apesar de fazer um tutorial de maquiagem e um de cabelo toda semana, ela sempre traz algo de novo. E é sempre uma delícia vê-la se maquiando. Esse vídeo abaixo foi o da última semana e só amor por ele:

Minhas metas para dezembro

Para finalizar, vou falar um pouquinho sobre as minhas metas para esse mês que está começando. Dezembro é um mês lindo, cheio de confraternizações, celebrações e trocas de presentes e, por isso, não devemos nos exigir tanto.

Por isso mesmo, não tracei tantas metas para esse mês. Quero apenas trabalhar produtivamente, atualizar o blog com certa frequência, não deixar os presentes para serem comprados em cima da hora e aproveitar que todo mundo fica de férias, para passar mais tempo com as pessoas que amo.

Espero também conseguir tirar um tempinho para fazer um ótimo planejamento para entrar em 2016 com a corda toda e fazer do próximo ano, um ano super especial (estou sentindo que será). Como estou esperando algumas respostas, ainda está tudo bem indefinido, mas acho que até o meio de dezembro tudo se definirá.

Vamos fazer desse último mês do ano, um mês lindo? Quais são seus planos para dezembro, enh?!

Como está meu GTD atualmente

Essa é uma série de posts que conto sobre a minha implantação e adaptação ao método GTD, desenvolvido pelo norte-americano David Allen e publicada no livro Getting Things Done (“A Arte de Fazer Acontecer”). Para acompanhar a série, basta clicar na tag “Minha experiência com o GTD“.

gtd-novembro

Foto: Reprodução/ Nothing less than perfect

A última vez que postei sobre o assunto, contei que o meu sistema estava todo bagunçado e precisava de um recomeço. Pois bem, acho que o recomeço existe sempre para o sistema GTD. Sempre é bom revisar e observar o que pode ser melhorado e feito para simplificar e tornar mais prático o dia a dia com o método.

Eu estou lendo a nova edição do livro do David Allen, A Arte de Fazer Acontecer, e com isso, venho repensando o meu sistema e o que posso fazer para melhorá-lo. Vou tentar fazer um post bem completinho, contando como está cada uma das etapas, assim também dou dicas de como tenho feito para ser mais produtiva e organizada.

A captura

Para mim, a pior parte é a hora da coleta, ou como atualmente se chama, da captura. É muito difícil passar para o sistema todos os insights, ideias, atividades, compromissos que tenho.  Como isso tem muito a ver com hábito, é algo que preciso insistir constantemente.

O que mais acontece é eu ver algo interessante e ter certeza de que lembrarei no momento certo sobre aquilo, mas lógico que isso não acontece. E eu já acabei perdendo congressos e outras coisas importantes pelo simples fato de não fazer a captura.

O David Allen sempre diz que precisamos deixar a mente clara como água, sem nenhum pensamento nos atrapalhando. Parece uma atitude tão linda e tão simples, mas é bem difícil. Além de toda a dificuldade de capturar no momento exato, quando capturo acabo sempre querendo esclarecer no mesmo instante e, quem conhece a metodologia, sabe que não é o ideal.

Esclarecendo

O momento de esclarecer, para quem não sabe, é a hora de decidir o que será feito com a tralha (nome um pouco ruim dado ao item adicionada a suas caixas de entrada). Parece algo complicado, mas quando nos acostumamos é bastante simples e é praticamente feito ao mesmo tempo que organizar.

Foto: Reprodução/ Vida Organizada

Foto: Reprodução/ Vida Organizada

Como o objetivo aqui não é ensinar como fazer o esclarecimento e sim contar como eu tenho feito, vou deixar como indicação para vocês esse post lindo feito pela Thais Godinho do Vida Organizada.

Tenho dois momentos de esclarecimento: o primeiro, que é feito no começo do dia, em que esclareço/limpo a minha caixa de entrada do e-mail e o segundo, que é feito no final do dia, e que esclareço os itens que adicionei a minha caixa de entrada do Todoist (quando isso acontece).

Venho usando bastante a regra dos dois minutos e isso tem ajudado a resolver probleminhas rápidos, tanto no e-mail quanto aos itens adicionados na caixa de entrada. Acho que para esse momento ficar melhor, preciso, primeiramente, criar o hábito de sempre adicionar tudo a caixa de entrada, ou seja, fazer uma ótima captura.

Organizando o sistema GTD

Mesmo que tenha passado muito tempo desde a última vez que escrevi sobre o meu sistema aqui, confesso que não mudei muita coisa. Continuo tendo no Todoist e no Evernote minhas duas principais ferramentas e não pretendo trocá-las tão cedo.

Para mim, o que não funciona de jeito nenhum é manter uma agenda, mesmo que seja online, no caso o Google Calendar. Como tenho poucos compromissos, funciona muito melhor deixá-los no Todoist, como uma tarefa. Para diferenciar, sempre quando é compromisso, coloco a prioridade vermelha.

Foto: Meu Todoist

Foto: Meus compromissos no Todoist

Além disso, também concentro no Todoist todas as minhas tarefas e até o manejo dos projetos. Dessa forma, ficou super prático gerir o meu sistema, porque tudo está no Todoist e lá consigo ver quais são minhas próximas ações e o que tenho que fazer em cada um dos projetos.

O que mais gosto no Todoist, e que sempre falo nos meus posts, é que posso separar todas as minhas tarefas por área de foco. Assim, consigo ver como estou dividindo minhas horas e quais áreas preciso dar mais atenção.

Foto: Produtividade segundo as áreas de foco (cada cor representa uma área)

Foto: Produtividade segundo as áreas de foco (cada cor representa uma área)

Para organizar certinho e ajudar na execução, utilizo as etiquetas. No entanto, devo confessar que nunca uso os contextos, apesar de sempre colocá-los em minhas tarefas. Lendo o livro novo, entendi porque, para mim, os contextos não fazem muito sentido.

Segundo David Allen, só para quem tem muitas tarefas para gerenciar é que vale a pena. Para pessoas como eu que, normalmente, não possuem tantas tarefas assim, não há a necessidade de usar os contextos.

Também acho que não faz muito sentido porque trabalho de casa e, por isso, não possuo muitos contextos. De qualquer forma, enquanto tiver o meu plano premium do Todoist continuarei colocando as etiquetas.

Foto: Projetos e Etiquetas no Todoist

Foto: Projetos e Etiquetas no Todoist

Basicamente é isso. Posso depois fazer um post explicando mais detalhadamente como gerencio o GTD dentro do Todoist. No entanto, para quem está curioso, a Thais está fazendo uma série de como implementar o GTD no Todoist. Posso dizer que o meu sistema tem pouco a ver com o dela, mas acredito que sempre é bom conhecer o sistema de outras pessoas.

Como disse acima, também uso o Evernote para organizar o GTD. Lá deixo todos os arquivos de referência e também gerencio os projetos. Não são todos os projetos que passo para lá, apenas aqueles que acho que precisam de um gerenciamento mais completo e que o Todoist não dá conta.

Como escrevo muita coisa, matéria, artigos científicos, posts, etc, lá fica mais fácil gerenciar esse tipo de conteúdo. Acabo escrevendo tudo lá e, assim, fica muito mais fácil de achar quando preciso. Acho que o Evernote é o complemento perfeito para o Todoist.

Para organizar os meus horizontes acima dos projetos, tenho usado o MindMeister por recomendação da Thais. No entanto, essa parte também é bem complicada para mim e ainda não consegui desenvolvê-la satisfatoriamente. Estou com bastante expectativa que o novo livro me ajude com isso. Vamos aguardar!

A execução do GTD

Com tudo organizadinho e bonitinho, a execução fica bem mais fácil. A primeira coisa que faço após ligar o pc é checar o e-mail. Ali chegam algumas tarefas a serem feitas no dia e também me sinto mais leve quando elimino todos os spams que chegam.

Depois, costumo trabalhar nas atividades que necessitam de maior concentração, como escrever. Para depois do almoço, como sei que fico mais lenta, gosto de deixar para fazer atividades que são mais práticas e não necessitam de uma carga de concentração tão alta. Lógico que esse é o dia ideal e nem sempre a rotina transcorre assim.

Uma coisa que tenho feito e que tem funcionado bastante para me deixar concentrada e manter o foco, é usar um aplicativo que chama 30/30. Ele é um Pomodoro em que você faz a sua programação. Eu gosto de colocar nele minhas atividades do dia e delimitar um tempo para elas. E, por lá, vou cronometrando-as e seguindo a ordem antes planejada.

Faço de um jeito que uma atividade mais pesada seja intercalada com outras mais leves, para dar um descanso ao cérebro. Gosto do aplicativo porque consigo delimitar para o dia apenas aquilo que é possível ser realizado por conta da estimativa de tempo. Estava precisando de algo que me ajudasse na concentração e este aplicativo foi ótimo.

Foto: Aplicativo 30/30

Foto: Aplicativo 30/30

As revisões do GTD ou como refletir sobre o seu sistema

As revisões fazem parte de um eterno aprendizado. Atualmente, David nomeia a revisão de reflexão. Eu sempre estou à procura de saber um pouco mais sobre elas, como posso melhorá-las e o que estou fazendo que está dando certo e o que não está.

A que eu acho que surte mais efeito para mim é a revisão mensal. É ótimo olhar para trás, ver o que foi feito e colocar novas metas para o próximo mês. Costumo criar uma nota no Evernote e jogar ali todas as minhas metas para cada uma das áreas de foco. Assim, sei o que terei que realizar.

Quando pulo essa revisão, é certeza de um mês sem ritmo, meio jogado. Por isso, gosto muito dela e acho que dá mais sentido e facilita bastante as revisões semanais. Sempre marco para o último dia do mês, mas quando não dá para ser feita nesse dia, faço sempre no próximo dia possível. Vou compartilhar com vocês o meu checklist da revisão mensal:

Foto: Checklist da Revisão Mensal no Todoist

Foto: Checklist da Revisão Mensal no Todoist

A revisão semanal é uma das etapas mais importantes para o GTD acontecer. O que mais faço é organizar o que saiu da ordem durante a semana. Então, limpo o meu e-mail, principalmente as pastas de Ação e Aguardando. Vejo que está pendente no meu sistema e tem que ser resolvido (as NextAction) e ajeito todos os meus projetos para que sejam encaminhados e possam evoluir durante a semana.

Também faço uma coleta mais ampla, tentando lembrar do que posso acrescentar de tralha e esclarecendo as minhas caixas de entrada (não é bom entrar em uma nova semana com caixas de entradas cheias). Para finalizar, dou uma olhada na minha lista de Algum Dia/Talvez e vejo se quero colocar algo em ação. Segue a minha checklist:

Foto: Checklist da revisão semanal no Todoist

Foto: Checklist da Revisão Semanal no Todoist

Essa, obrigatoriamente, tento fazer toda sexta-feira, porque sempre quando deixo para o final de semana acabo pulando. Mesmo que seja algo bem rápido, estou me policiando para fazer toda semana. O melhor horário é logo após o almoço, já que tenho tempo para resolver qualquer pendência e já tive uma manhã produtiva para fazer as atividades programadas.

Todo dia também tento fazer uma breve revisão, esclarecendo minhas caixas de entrada (quando ficam com alguns itens), selecionando algumas atividades para o dia seguinte, colocando no APP 30/30 o que pretendo realizar e também tirando um tempinho para uma coleta (sempre me forçando a passar tudo para o sistema).

Dessa forma, tem dado certo e tenho ficado bem feliz com o resultado. Sem dúvidas, estou mais produtiva e concentrada (muito também por conta do Facebook). Sei que o post ficou gigante, mas tentei passar para vocês cada etapa do GTD e como estou fazendo para ajudar quem está implementando.

Se ficarem com alguma dúvida, não tenham medo de me contatar e deixar um comentário. Assim posso ter até ideias de novos posts sobre a temática. Espero que vocês tenham gostado 😉 (eu particularmente amo ler posts gigantes e cheios de informação).

Como está o seu sistema atualmente? Tem alguma dica ótima para compartilhar com a gente?

Obs.: esse post contém link para a minha página de afiliados na Amazon. Ao clicar e efetuar a compra, você estará me ajudando a ganhar um dinheirinho. Conto com a sua ajuda e agradeço a contribuição 😉

 

GTD e desorganização: a hora de começar tudo de novo

Essa é uma série de posts que conto sobre a minha implantação e adaptação ao método GTD, desenvolvido pelo norte-americano David Allen e publicada no livro Getting Things Done (“A Arte de Fazer Acontecer”). Para acompanhar a série, basta clicar na tag “Minha experiência com o GTD“.

Foto: Reprodução/ Who What Wear

Foto: Reprodução/ Who What Wear

O post de hoje vai ser mais um desabafo para a gente começar esse ano de verdade. Como vocês já devem ter percebido pelos posts passados, tenho lutado constantemente contra a desorganização, a procrastinação e tentando ser a cada dia mais produtiva.

Pois bem, terminei o ano de 2014 bastante empenhada nessa missão. Mas hoje, depois de quase dois meses de 2015, percebo que ao invés de estar evoluindo, ando regredindo. O que acontece é que nunca consegui ficar plenamente organizada e, por isso, ao invés de manter, preciso sempre estar organizando tudo de novo.

Meu Evernote está uma bagunça, não tenho feito mais revisões semanais e até meu Todoist está com algumas tarefas atrasadas. Na esperança de buscar um sistema mais simples, acabei ficando sem sistema nenhum, essa é a verdade.

Mas já está mais do que na hora de voltar a evoluir e tentar colocar tudo em ordem. Por isso, pensei num passo a passo bem simples para eu ir colocando tudo nos eixos pouco a pouco.

  1. Para começar, amanhã vou fazer uma revisão semanal completa, olhando para todas as áreas e determinando metas para a semana seguinte. O que estava funcionando anteriormente vai voltar a funcionar agora.
  2. Quero organizar meu Evernote, tentando simplificar um pouco o sistema de modo que volte a ser eficiente e prático como tem que ser. Pretendo também dar uma digitalizada em alguns papéis que quero guardar e destralhar um pouco a minha pasta/fichário.
  3. Preciso terminar de organizar meu e-mail. Já criei um sistema de pastas bem interessante, agora só falta zerar a caixa de entrada (o que é quase impossível no meu caso). Também pretendo eliminar algumas assinaturas que enchem a minha caixa de entrada e acabam me desanimando para limpá-la.
  4. Eliminar ou realizar todas as tarefas atrasadas do Todoist e ver como ele vai funcionar neste novo sistema que pretendo organizar. Já falei por aqui que quero deixar no Todoist todas as tarefas, mas acho que do jeito que ando organizando não está sendo eficiente e sim bastante trabalhoso.
  5. Quero acrescentar um caderninho porque sinto muita falta de escrever, mas ao mesmo tempo, não quero perder mil anos gerenciando tudo isso. Vou gastar um tempinho pensando em como posso inserir esse caderninho de maneira eficiente. Este post da Camile Carvalho me deixou ainda com mais vontade de ter um caderninho para me ajudar na organização.
  6. Quando o sistema estiver montado e organizado, pretendo ter uma hora fixa todo dia para fazer ele acontecer, sempre coletando, processando, organizando, revisando e fazendo acontecer, já que o GTD é realmente o melhor método de organização e eu pretendo ser cada dia mais organizada com ele.

Assim que eu perceber que o sistema está funcionando, venho aqui compartilhar tudo com vocês. Pelo jeito, acho que o GTD é um constante aprendizado, já que é impossível achar um sistema ideal que funcione sempre, acho que depende muito do momento.

Me desejem força porque sei que vou precisar! E vocês, já tiveram que voltar atrás e começar tudo de novo como farei?

Coleta GTD: primeira etapa do método de organização

Essa é uma série de posts que vai apresentar o que é o GTD, para que ele serve e como ele pode te ajudar a ser mais organizado e produtivo. Para ler todos os posts da série, basta clicar na tag GTD. Nela você também poderá ver como tenho aplicado o método na minha vida de forma a ter resultados satisfatórios.

Foto: Reprodução / A Fabulous Fete Blog

Foto: Reprodução / A Fabulous Fete Blog

Como vocês viram no primeiro post, contei que o GTD tem cinco etapas. Hoje vou explicar como funciona a primeira etapa que talvez seja a mais fácil, mas a que poucas pessoas as fazem (ou se fazem, não do modo completo).

A coleta consiste em tirarmos tudo de nossas cabeças e armazenarmos em caixas de entrada. Ao eliminarmos nossas preocupações, tarefas, desejos, projetos, etc, ficamos mais tranquilos e confiantes para realizarmos aquilo que devemos fazer.

Mas como fazer essa coleta? Muito simples. É necessário ter sempre por perto uma caixa de entrada e nela depositar tudo aquilo que vem na sua cabeça. Cada vez que chegar uma nova tarefa que você deva executar, anote. Toda vez que você tiver alguma ideia, também não deixe de anotar. Depois, tudo isso será processado e analisado, talvez até você elimine, mas primeiro você precisa anotar.

Caixa de entrada: item fundamental na coleta GTD

O que pode ser as caixas de entrada? Qualquer coisa que você tenha por perto e que se lembre depois de checar. Claro que quanto menos caixas de entrada, melhor, mas tudo que possa facilitar sua vida, é sempre bem-vindo.

Caixas de entrada mais comuns:

  • Cadernos
  • A própria caixa de entrada dos e-mails (já que os e-mails também devem ser processados futuramente)
  • Aplicativos como Evernote, Todoist (obs.: tenha sempre neles algo indicando ser a caixa de entrada do aplicativo)
  • Algum tipo de caixa de entrada física onde você vai armazenar as correspondências e outros papéis que chegam a você
  • Agenda
  • Bloco de notas no computador ou no celular
  • Post it

Essas são algumas da possíveis caixas de entrada. Eu, atualmente, tenho anotado tudo no Todoist, porque sempre estou com algum aparelho por perto. Mas também carrego um pequeno caderninho caso algum dia queira anotar algo e a bateria do celular tenha acabado, por exemplo. E tenho as caixas de entrada dos e-mails.

Com o tempo você vai percebendo o que é melhor e o que funciona para você, o importante neste início é testar ferramentas e ter sempre algo por perto para anotar tudo.

O que fazer com o que foi coletado

Foto: Reprodução/ Pinterest

Foto: Reprodução/ Pinterest

Tudo o que foi coletado será processado em algum momento do seu dia. Falarei mais sobre o processamento no próximo post. Neste primeiro momento o que você deve fazer é montar suas caixas de entrada e guardar que tudo deve ser coletado nelas.

Como um bom primeiro exercício, faça as suas caixas de entrada e comece anotando tudo o que está na sua cabeça. Tente se lembrar das coisas mais remotas. Anote que você quer pintar a casa no mês que vem, anote também que você não pode esquecer de comprar chocolates na próxima vez que for ao mercado. Não deixe de anotar que você deseja viajar para Paris em futuro próximo e não se esqueça de anotar que amanhã 6h tem Sharapova na final do Australian Open.

Não pense que a caixa de entrada servirá apenas para as suas tarefas profissionais. O GTD é um método de organização de vida e tudo o que envolve o seu cotidiano deve estar inserido nele.

Você deve estar se perguntando o porque de fazer isso, se tem coisas tão óbvias e que você logicamente não irá esquecer. Mas, segundo David Allen, a partir do momento que você tira da cabeça, você se sente mais aliviado e produtivo.

Um exemplo ótimo que ele dá no livro “A Arte de Fazer Acontecer” (que eu recomendo a leitura para todo mundo que queira conhecer mais sobre o método) é que você quer arrumar sua escrivaninha, mas ainda não arranjou um tempo para ela. Toda vez que você olha para ela, se lembra que quer organizá-la e isso te perturba. Se você passa essa tarefa para o seu sistema, ou seja, anota na sua caixa de entrada, isso vai parar de te importunar, porque você vai saber que está anotado e que quando for possível passará a ser uma tarefa executável.

Por isso é importante anotar tudo, mesmo as coisas que você não vai executar hoje.Coletar não é fazer uma lista de tarefas. Coletar no GTD é armazenar tudo o que de alguma forma está ocupando espaço na sua mente e deixando ela de se concentrar no que é importante para aquele momento.

O post acabou ficando bem maior do que imaginava. Sei que fui repetitiva em algumas partes, mas é que o conceito de coletar tudo tem que fixar e ser executado, senão o GTD não funciona.

E você como faz sua coleta? Ficou com vontade de começar a usar o GTD? Faça o primeiro exercício e depois conte para a gente!

Obs.: esse post contém link para a minha página de afiliados na Amazon. Ao clicar e efetuar a compra, você estará me ajudando a ganhar um dinheirinho. Conto com a sua ajuda e agradeço a contribuição 😉