5 dicas para quem trabalha em casa

homeoffice
Eu já não trabalho mais em casa já faz um bom tempo, pouco mais de um ano para ser mais exata. Agora faço uma carga horária de 44 horas semanais. Mas, ainda guardo algumas dicas valiosas sobre o assunto e decidi compartilhar.
Antes, quando passava o dia inteiro em casa, não aguentava mais olhar para as paredes do meu “home-office” (ou quarto para os íntimo). Agora, sinto uma falta danada de ser dona do meu tempo e poder programar as minhas atividades como bem entender.
Pois bem, mas toda pessoa que faz home-office sabe que algumas dicas são imprescindíveis e fundamentais para que você tenha efetividade, seja produtivo e não deixe as distrações te pegarem de jeito. Num mundo com redes sociais, Netflix e outras futilidades à vontade, você precisa conhecer as dicas de quem atuou em casa por mais de três anos.

1. Tenha uma lista de tarefas

Eu continuo a minha eterna batalha para implementar o GTD em minha vida. E nos momentos em que ele funcionou foi a época em que estive mais produtiva. Mas, não interessa o método de produtividade que você vai utilizar, o mais importante é ter uma lista de tarefas com os itens que precisa concluir no dia. Ter direcionamento ajuda a não perder tempo pensando no que tem que ser feito. Com a lista de tarefas, basta você executar.

2. Tenha uma rotina

Para um bom desempenho no home-office é de fundamental importância que você se conheça e monte uma rotina que se adapte as suas horas mais produtivas. Há pessoas que conseguem trabalhar melhor durante a manhã, outras à noite, outras não conseguem render após o almoço. Conheça os seus horários e monte a sua rotina. Você tem a oportunidade de poder trabalhar na hora que bem entender (a maioria dos home-office oferece esta possibilidade), aproveite para ter uma rotina que te faça feliz.

3. Tenha horários

Horários certos para começar e terminar de trabalhar são fundamentais para você se manter produtiva todos os dias. Nada adianta se você num dia fizer mais de 12 horas de trabalho, se no posterior você estará cansada e não conseguirá produzir quase nada. Melhor manter uma média de horas factível, que te possibilite descansar, ter lazer, praticar exercícios, etc. Sei que tem dias que não tem jeito e temos que esticar o horário. Mas tentar fazer o seu horário na maioria dos dias é uma ótima dica para sentir prazer no home-office.

4. Tome cuidado com as distrações

Ter a possibilidade de, no meio do dia, parar umas horas para dar uma cochilada, ler um livro ou ver uma série é algo divino. Mas, tome muito cuidado para que essas distrações não acabarem destruindo a sua produtividade. Caso necessário, há diversas formas de bloquear alguns sites por tempo determinado para que você não caia na tentação de dar uma passadinha no Facebook. Você também pode tirar as notificações do celular para não se distrair com elas.

5. Ative sua mente

Eu sou uma zumbi até mais ou menos uma hora depois de acordar. Meu cérebro precisa de um bom tempinho para entrar em ação e começar a raciocinar com certa dignidade. Por isso, sempre fazia algumas atividades, logo após acordar e antes de começar a trabalhar, que ajudavam a colocar meu cérebro em funcionamento. Lia blogs que seguia, tomava o café da manhã com toda calma do mundo, arrumava minha cama, tirava o pijama, enfim, tinha diversas atividades que me deixam mais dispersa, criativa e com energia para um dia de trabalho. Confesso que é o que mais sinto falta atualmente (aqui conto mais sobre a minha rotina diurna).
Essas são as minhas dicas, mas, conforme você for se acostumando com o home-office, sua rotina irá se adaptando ao que te faz melhor, te deixa mais produtiva e atenta. Trabalhar em casa é uma delícia (eu sinto a maior falta), você ganhará habilidades que serão uteis em diversos momentos de sua vida, mas se não tiver organização, dedicação e concentração, o home-office pode ser o seu maior pesadelo.
Dicas, dúvidas ou sugestões sobre home-office, não deixe de compartilhar nos comentários!
Anúncios

Depois de um ano…

Parece inacreditável, mas já faz mais de um ano que não passo por aqui. Esse meu espacinho que amo tanto, que uso para compartilhar tudo o que deixa meus olhos brilhando e que, depois de um tempo, volto e leio tudo de novo e fico tão feliz de ter escrito aquilo.

Pois bem, vou contar um pouquinho o que aconteceu nesse um ano e o porquê de ter me afastado daqui. Resumidamente: 2016 foi um ano caótico para mim. Daqueles anos que passam e terminam e a gente acha que pouco fez, pouco viveu.

Chego em dezembro desse ano e, como todo ano, fico muito reflexiva. Pensando no que fiz, no que posso melhorar, no que espero para o próximo ano. E, justamente por isso, voltei para cá e me deu uma imensa vontade de compartilhar um pouquinho do que foi esse ano com vocês, para eu ter um registro para a posteridade.

Esse ano, confesso, me afastei muito de tudo que eu gosto e do caminho que estava trilhando. Não me sinto feliz por isso, mas fiz o que tinha que ser feito. Ano passado finalizei meu mestrado e tinha os planos de começar o doutorado logo em seguida, mas, como a vida nem sempre é como queremos, acabei não conseguindo ingressar no doutorado. Tinha os planos, então, de começar a dar aula em alguma universidade. Tentei, enviei currículos para milhares de escolas, mas, por conta da minha falta de experiência na área, não consegui nada.

Imaginam como eu terminei o ano de 2015. Perdida,né? Sim, muito. Não sabia o que faria nesse ano, como ganharia meu dinheiro, o que iria fazer da minha vida. A única coisa que passava na minha cabeça era o porquê de eu ter sempre estudado tanto e nunca ter tido o mínimo de sucesso. Sentia como se tivesse sempre optado pelo caminho errado.

Ao mesmo tempo, sabia que de alguma forma, era o estudo que ia me dar a estabilidade que tanto precisava. Resolvi então, não sei por qual motivo ou que me levou a ter esse insitgh, prestar concursos. O do INSS tinha acabado de ter seu edital publicado, era janeiro de 2016, e a prova seria daqui 5 meses, em maio. Mergulhei de cabeça e comecei a estudar pra valer, tinha dias que passava até sete horas líquidas estudando. Gente, isso é muita coisa!!!

Também resolvi prestar alguns outros concursos menores, para ter alguma chance de conseguir algo. E, no primeiro concurso que prestei, passei em primeiro lugar. Vocês devem imaginar a minha felicidade né? Passei a ter certeza que esse era o caminho.

Mas, como nada na vida é perfeito, no meio do caminho apareceram muitos empecilhos. Passei por momentos de desespero, que mandava currículo para tudo quanto é lugar, fiz processo seletivos em empresas que nada tinham a ver comigo, busquei de todo jeito um emprego, porque estava desesperada por dinheiro. Todo esse descontrole proliferou em todas as esferas da minha vida e foram meses bastante caóticos que, apesar de tudo, tive muita serenidade para enfrentar.

goals-2017

E foi assim que vivi o primeiro semestre de 2016. Mas, como a vida não é sempre um caos, e como sempre depois da tempestade vem a calmaria, no início de julho fui chamada no concurso em que havia passado em primeiro lugar. O cargo era cadastro reserva e, por isso, não sabia se seria chamada. E, ser chamada tão logo, foi praticamente um milagre em um momento que precisava de boas notícias.

Comecei a trabalhar no final de julho, mais precisamente dia 21 de julho de 2016. Ter dinheiro no bolso e um emprego faz com que a gente consiga se acalmar, olhar ao seu redor e começar a refletir sobre o que será daqui para frente. A opção óbvia era continuar estudando para passar em concursos melhores, mas, depois que a gente começa a trabalhar 8h45 no dia, fica bem difícil manter um ritmo bacana de estudos.

Também tinha o fato de que não me sentia realizada profissionalmente trabalhando fora da minha área. Amo a comunicação, sempre soube disse, e não estar trabalhando com isso é algo que me deixa frustrada. E tudo isso era uma barreira que me impedia de estudar, me deixava desanimada e totalmente perdida sobre o meu futuro.

Vocês devem imaginar como estive perdida profissionalmente neste ano, e ainda continuo. Pensei em investir em algo próprio, em fazer cursos de outras coisas que amo . Continuo ainda bastante perdida, ainda sem saber direito o que fazer, para que lado atirar. Mas, por enquanto, decidi ter calma e continuar estudando. Tentar concursos que me chamarem a atenção e, principalmente, que sejam na minha área.

Também quero investir meu tempo em coisas que gosto de fazer, como escrever aqui para o blog. Sei que será complicado, porque, afinal, não me resta muito tempo, mas com organização (outra coisa que amo e que ficou fora da minha vida) podemos fazer tudo, não é mesmo?!

Sei que o texto ficou grande e nada informativo, mas fiz esse texto para mim, para eu ler daqui um tempo e me orgulhar de 2016 que foi um ano bem difícil, mas me trouxe tanto aprendizado, tanta maturidade, tanta calma e tanta paz que não tem como não guardá-lo com carinho e com um registro.

Me contem como foi o ano de vocês. Sei que não foi um ano fácil para muitas pessoas. Acho que esse clima de instabilidade política, crise econômica mexe muito com todo mundo. E eu, graças a Deus, termino mais um ano tendo mais o que agradecer do que pedir.

2017

Trello: o melhor aplicativo para organizar o blog

Foto: Reprodução/ My Fabuless Life

Foto: Reprodução/ My Fabuless Life

Como vocês devem perceber, eu voltei a postar no blog com certa frequência e o segredo para ter um blog atualizado, mesmo com outras atividades a serem feitas, é ser organizada. Quando tinha o blog “.com” instalei alguns plugins que me ajudavam a organizar as postagens e visualizar um calendário editorial interessante.

Agora que voltei para o WordPress, infelizmente não pude mais contar com essas ajudinhas. E aí que comecei a pensar como poderia organizar o blog e qual seria a melhor plataforma para administrá-lo. Tanto o Todoist como o Evernote já fazem parte da minha organização diária, mas sabia que não seriam as ferramentas ideias.

Por já trabalhar com o Trello desde o ano passado (o site para o qual eu trabalho, utiliza ele para administrar as pautas) sabia de seu potencial em gerir um sistema legal de pautas e matérias publicadas. Resolvi testar e confesso que estou gostando muito.

Como estou me organizando com o Trello?

Foto: Calendário Trello

Foto: Calendário Trello

  • Calendário: criei um quadro para o blog e instalei a ferramenta que cria um calendário. Isso me ajuda a ter uma visão das pautas indicadas para cada dia, já que é possível adicionar datas a cada um dos cartões.
  • Etiquetas: com as etiquetas, outra ferramenta existente no Trello,  consigo designar as pautas para cada categoria, fazendo com que o blog tenha posts de categorias diversificadas. As etiquetas são coloridas e isso ajuda na hora de visualizar (se estiver colorido, quer dizer que há pautas de diferentes categorias).
  • Checklist: também utilizo o checklist para saber quais são as ações de cada pauta e o que falta fazer em cada uma delas. O mesmo checklist que deixo no Trello, também passo para o Todoist para controlar as minhas próximas ações. Assim, também deixo as atividades do blog integradas com o GTD.
  • Listas: Atualmente, estou gerenciando as pautas com quatro listas. Uma para ideias de pautas, outra para pautas que estão sendo produzidas, uma para matérias que faltam apenas serem revisadas e mais uma com as matérias publicadas. Por enquanto, está funcionando legal.

O único ponto negativo que vejo no Trello é que o aplicativo para tablet é bem ruinzinho. Não funciona direito e para inverter toda ordem do sistema é um pulo, porque não há muito controle na hora que você toca na tela. Mas como prefiro gerenciar pelo computador, está tudo ótimo.

De resto, o Trello tem sido um aplicativo perfeito para o que pretendo. Agora quero ler cada vez mais coisas sobre ele para conhecer novas funções, o que mais é possível fazer, etc. Por enquanto, o que sei já está de bom tamanho e tem me ajudado um monte.

Espero que esse post ajude você que tem blog a encontrar uma maneira de gerenciar o seu espaço e ser mais produtiva e constante nas postagens. Também posso dizer que qualquer coisa nova nos deixa empolgada e ativa para trabalhar e publicar mais.

Você tem alguma dica para organizar e gerenciar o seu blog? Conte para gente!

Leia mais:

Revisão do mês: novembro 2015

Esse é um post em que faço um balanço sobre o meu mês, contanto um pouquinho sobre o que fiz e mais gostei e o que acho que vale a pena ser compartilhado com vocês. Para ver todas as postagens dessa categoria é só acessar o Revisão Mensal.

Foto: Reprodução/ Miranti Kayess

Foto: Reprodução/ Miranti Kayess

Quando vi esses posts, do Jeremey e da Beth, recomecei a pensar que deveria voltar a publicar aqui. Achei tão legal a dinâmica que eles usam para falar sobre a revisão mensal, passo tão importante no meu GTD atualmente. Como vocês podem perceber, esses dois posts foram bem importantes para mim.

Além de voltar a postar, também resolvi trazer esse post para cá, de um modo adaptado ao meu dia a dia e ao que gostaria de compartilhar com vocês. É também uma forma de eu avançar na minha revisão mensal (quando sento para escrever, tudo fica mais claro e objetivo).

Vou seguir um padrão e fazer mais ou menos assim todo final/começo de mês . Vou contar para vocês o que fiz de mais interessante e acho que deva ser compartilhado aqui. Conforme for sentido necessidade, vou excluindo ou acrescentando categorias, mas acredito que seja mais ou menos assim, como o de hoje.

Quais foram minhas metas para novembro?

Novembro foi um mês bastante produtivo, apesar de ter sido um mês mais calmo para mim. Minhas áreas de foco resolveram dar um tempinho e, ao invés de me lotarem de coisas, como fizeram o ano inteiro, foram mais concisa e me proporcionaram um mês bem interessante.

Com isso, consegui dar uma boa refletida sobre várias coisas e encaminhar alguns projetos que estavam parados, como o blog. Além disso, pude perceber o que me deixava mais produtiva e o que deveria evitar. A exclusão do Facebook e o eterno aperfeiçoamento do GTD me ajudaram a fazer de novembro um mês bem especial.

Não vou falar aqui de cada meta que cumpri, pois acho isso bem particular, mas posso afirmar que todas com as quais me comprometi e foram possíveis de serem realizados, eu cumpri. Isso deixa uma grande satisfação. Vale a pena tentar fazer isso você também.

Quais matérias legais eu li?

Estou precisando urgentemente de sites mais legais para ler. São poucos os que eu curto o conteúdo (gosto de sites que compartilham experiências, que tenham aquela pegada pessoal e que, o principal, me façam refletir e aprender com algo).

Do Vida Organizada fica até difícil escolher apenas um. Amo como a Thais escreve, amo seus assuntos e gosto muito do jeito que ela administra o seu site (é difícil depois de tanto tempo e de ganhar certa popularidade continuar aliada aos seus ideais). Mas, sem dúvidas, o que mais me inspirou esse mês foi o post sobre como está o seu GTD atualmente.

Outro blog que gosto bastante, apesar de ser institucional, é o do Todoist. Como eles contam com postagens colaborativas, há sempre alguém interessante compartilhando um pouquinho da sua experiência com a plataforma e como ela influência na sua produtividade e na realização dos sonhos. O post que mais curti esse mês foi sobre como levar projetos paralelos adiantes.

Adoro também tudo o que a Rita do The Busy Woman and the Stripy Cat escreve. Acho ela sempre bastante inspiradora e, por ser pesquisadora assim como eu, me ajuda bastante quando fala sobre o assunto. Esse mês ela não foi tão frequente no blog, mas o post que mais me fez pensar foi sobre o sono e como ele interfere na produtividade. Para mim, é essencial dormir 8 horas por dia para ser produtiva, mas também sei que se durmo um pouco a mais que isso, já fico imprestável.

O que eu assisti esse mês?

Vou falar aqui um pouquinho sobre séries, filmes, vídeos no YouTube que assisti e que acho que vale a pena passar para frente. Quanto a séries a minha preferida do mês (e da vida) foi Grey’s Anatomy. Não consigo entender como uma série, mesmo estando na sua 12ª. temporada e com tantas baixas no elenco, consegue ainda me deixar suspirando e ansiosa para os próximos episódios.

Também assisti The Voice americano (muito amor pelos quatro jurados), mas dei uma empacada e ainda não estou atualizada com o reality. Outra série que tenho amado assistir é Vai que Cola (para quem não sabe, passa no MultiShow e está na sua terceira temporada). Os personagens são bem engraçados e todos os episódios têm uma história interessante. Acho que devemos valorizar quando o produto nacional é bacana e o Vai que Cola é bem legal.

Foi um pouco difícil lembrar dos vídeos de novembro que mais gostei no YouTube, por isso mesmo começo indicando um canal, o da Monika Blunder. Ela é uma maquiadora americana que maquia algumas famosas. Mas o mais legal é que os vídeos são sempre muito legais de assistir e com maquiagens tão simples (os produtos não) que me fazem ter certeza que menos é mais, sempre.

Esse mês (e todos os meses) assisti muito a Julia Petit. Ela, assim com a Thais Godinho, mantém a essência e trazem conteúdos sempre muito informativos. Apesar de fazer um tutorial de maquiagem e um de cabelo toda semana, ela sempre traz algo de novo. E é sempre uma delícia vê-la se maquiando. Esse vídeo abaixo foi o da última semana e só amor por ele:

Minhas metas para dezembro

Para finalizar, vou falar um pouquinho sobre as minhas metas para esse mês que está começando. Dezembro é um mês lindo, cheio de confraternizações, celebrações e trocas de presentes e, por isso, não devemos nos exigir tanto.

Por isso mesmo, não tracei tantas metas para esse mês. Quero apenas trabalhar produtivamente, atualizar o blog com certa frequência, não deixar os presentes para serem comprados em cima da hora e aproveitar que todo mundo fica de férias, para passar mais tempo com as pessoas que amo.

Espero também conseguir tirar um tempinho para fazer um ótimo planejamento para entrar em 2016 com a corda toda e fazer do próximo ano, um ano super especial (estou sentindo que será). Como estou esperando algumas respostas, ainda está tudo bem indefinido, mas acho que até o meio de dezembro tudo se definirá.

Vamos fazer desse último mês do ano, um mês lindo? Quais são seus planos para dezembro, enh?!

Como está meu GTD atualmente

Essa é uma série de posts que conto sobre a minha implantação e adaptação ao método GTD, desenvolvido pelo norte-americano David Allen e publicada no livro Getting Things Done (“A Arte de Fazer Acontecer”). Para acompanhar a série, basta clicar na tag “Minha experiência com o GTD“.

gtd-novembro

Foto: Reprodução/ Nothing less than perfect

A última vez que postei sobre o assunto, contei que o meu sistema estava todo bagunçado e precisava de um recomeço. Pois bem, acho que o recomeço existe sempre para o sistema GTD. Sempre é bom revisar e observar o que pode ser melhorado e feito para simplificar e tornar mais prático o dia a dia com o método.

Eu estou lendo a nova edição do livro do David Allen, A Arte de Fazer Acontecer, e com isso, venho repensando o meu sistema e o que posso fazer para melhorá-lo. Vou tentar fazer um post bem completinho, contando como está cada uma das etapas, assim também dou dicas de como tenho feito para ser mais produtiva e organizada.

A captura

Para mim, a pior parte é a hora da coleta, ou como atualmente se chama, da captura. É muito difícil passar para o sistema todos os insights, ideias, atividades, compromissos que tenho.  Como isso tem muito a ver com hábito, é algo que preciso insistir constantemente.

O que mais acontece é eu ver algo interessante e ter certeza de que lembrarei no momento certo sobre aquilo, mas lógico que isso não acontece. E eu já acabei perdendo congressos e outras coisas importantes pelo simples fato de não fazer a captura.

O David Allen sempre diz que precisamos deixar a mente clara como água, sem nenhum pensamento nos atrapalhando. Parece uma atitude tão linda e tão simples, mas é bem difícil. Além de toda a dificuldade de capturar no momento exato, quando capturo acabo sempre querendo esclarecer no mesmo instante e, quem conhece a metodologia, sabe que não é o ideal.

Esclarecendo

O momento de esclarecer, para quem não sabe, é a hora de decidir o que será feito com a tralha (nome um pouco ruim dado ao item adicionada a suas caixas de entrada). Parece algo complicado, mas quando nos acostumamos é bastante simples e é praticamente feito ao mesmo tempo que organizar.

Foto: Reprodução/ Vida Organizada

Foto: Reprodução/ Vida Organizada

Como o objetivo aqui não é ensinar como fazer o esclarecimento e sim contar como eu tenho feito, vou deixar como indicação para vocês esse post lindo feito pela Thais Godinho do Vida Organizada.

Tenho dois momentos de esclarecimento: o primeiro, que é feito no começo do dia, em que esclareço/limpo a minha caixa de entrada do e-mail e o segundo, que é feito no final do dia, e que esclareço os itens que adicionei a minha caixa de entrada do Todoist (quando isso acontece).

Venho usando bastante a regra dos dois minutos e isso tem ajudado a resolver probleminhas rápidos, tanto no e-mail quanto aos itens adicionados na caixa de entrada. Acho que para esse momento ficar melhor, preciso, primeiramente, criar o hábito de sempre adicionar tudo a caixa de entrada, ou seja, fazer uma ótima captura.

Organizando o sistema GTD

Mesmo que tenha passado muito tempo desde a última vez que escrevi sobre o meu sistema aqui, confesso que não mudei muita coisa. Continuo tendo no Todoist e no Evernote minhas duas principais ferramentas e não pretendo trocá-las tão cedo.

Para mim, o que não funciona de jeito nenhum é manter uma agenda, mesmo que seja online, no caso o Google Calendar. Como tenho poucos compromissos, funciona muito melhor deixá-los no Todoist, como uma tarefa. Para diferenciar, sempre quando é compromisso, coloco a prioridade vermelha.

Foto: Meu Todoist

Foto: Meus compromissos no Todoist

Além disso, também concentro no Todoist todas as minhas tarefas e até o manejo dos projetos. Dessa forma, ficou super prático gerir o meu sistema, porque tudo está no Todoist e lá consigo ver quais são minhas próximas ações e o que tenho que fazer em cada um dos projetos.

O que mais gosto no Todoist, e que sempre falo nos meus posts, é que posso separar todas as minhas tarefas por área de foco. Assim, consigo ver como estou dividindo minhas horas e quais áreas preciso dar mais atenção.

Foto: Produtividade segundo as áreas de foco (cada cor representa uma área)

Foto: Produtividade segundo as áreas de foco (cada cor representa uma área)

Para organizar certinho e ajudar na execução, utilizo as etiquetas. No entanto, devo confessar que nunca uso os contextos, apesar de sempre colocá-los em minhas tarefas. Lendo o livro novo, entendi porque, para mim, os contextos não fazem muito sentido.

Segundo David Allen, só para quem tem muitas tarefas para gerenciar é que vale a pena. Para pessoas como eu que, normalmente, não possuem tantas tarefas assim, não há a necessidade de usar os contextos.

Também acho que não faz muito sentido porque trabalho de casa e, por isso, não possuo muitos contextos. De qualquer forma, enquanto tiver o meu plano premium do Todoist continuarei colocando as etiquetas.

Foto: Projetos e Etiquetas no Todoist

Foto: Projetos e Etiquetas no Todoist

Basicamente é isso. Posso depois fazer um post explicando mais detalhadamente como gerencio o GTD dentro do Todoist. No entanto, para quem está curioso, a Thais está fazendo uma série de como implementar o GTD no Todoist. Posso dizer que o meu sistema tem pouco a ver com o dela, mas acredito que sempre é bom conhecer o sistema de outras pessoas.

Como disse acima, também uso o Evernote para organizar o GTD. Lá deixo todos os arquivos de referência e também gerencio os projetos. Não são todos os projetos que passo para lá, apenas aqueles que acho que precisam de um gerenciamento mais completo e que o Todoist não dá conta.

Como escrevo muita coisa, matéria, artigos científicos, posts, etc, lá fica mais fácil gerenciar esse tipo de conteúdo. Acabo escrevendo tudo lá e, assim, fica muito mais fácil de achar quando preciso. Acho que o Evernote é o complemento perfeito para o Todoist.

Para organizar os meus horizontes acima dos projetos, tenho usado o MindMeister por recomendação da Thais. No entanto, essa parte também é bem complicada para mim e ainda não consegui desenvolvê-la satisfatoriamente. Estou com bastante expectativa que o novo livro me ajude com isso. Vamos aguardar!

A execução do GTD

Com tudo organizadinho e bonitinho, a execução fica bem mais fácil. A primeira coisa que faço após ligar o pc é checar o e-mail. Ali chegam algumas tarefas a serem feitas no dia e também me sinto mais leve quando elimino todos os spams que chegam.

Depois, costumo trabalhar nas atividades que necessitam de maior concentração, como escrever. Para depois do almoço, como sei que fico mais lenta, gosto de deixar para fazer atividades que são mais práticas e não necessitam de uma carga de concentração tão alta. Lógico que esse é o dia ideal e nem sempre a rotina transcorre assim.

Uma coisa que tenho feito e que tem funcionado bastante para me deixar concentrada e manter o foco, é usar um aplicativo que chama 30/30. Ele é um Pomodoro em que você faz a sua programação. Eu gosto de colocar nele minhas atividades do dia e delimitar um tempo para elas. E, por lá, vou cronometrando-as e seguindo a ordem antes planejada.

Faço de um jeito que uma atividade mais pesada seja intercalada com outras mais leves, para dar um descanso ao cérebro. Gosto do aplicativo porque consigo delimitar para o dia apenas aquilo que é possível ser realizado por conta da estimativa de tempo. Estava precisando de algo que me ajudasse na concentração e este aplicativo foi ótimo.

Foto: Aplicativo 30/30

Foto: Aplicativo 30/30

As revisões do GTD ou como refletir sobre o seu sistema

As revisões fazem parte de um eterno aprendizado. Atualmente, David nomeia a revisão de reflexão. Eu sempre estou à procura de saber um pouco mais sobre elas, como posso melhorá-las e o que estou fazendo que está dando certo e o que não está.

A que eu acho que surte mais efeito para mim é a revisão mensal. É ótimo olhar para trás, ver o que foi feito e colocar novas metas para o próximo mês. Costumo criar uma nota no Evernote e jogar ali todas as minhas metas para cada uma das áreas de foco. Assim, sei o que terei que realizar.

Quando pulo essa revisão, é certeza de um mês sem ritmo, meio jogado. Por isso, gosto muito dela e acho que dá mais sentido e facilita bastante as revisões semanais. Sempre marco para o último dia do mês, mas quando não dá para ser feita nesse dia, faço sempre no próximo dia possível. Vou compartilhar com vocês o meu checklist da revisão mensal:

Foto: Checklist da Revisão Mensal no Todoist

Foto: Checklist da Revisão Mensal no Todoist

A revisão semanal é uma das etapas mais importantes para o GTD acontecer. O que mais faço é organizar o que saiu da ordem durante a semana. Então, limpo o meu e-mail, principalmente as pastas de Ação e Aguardando. Vejo que está pendente no meu sistema e tem que ser resolvido (as NextAction) e ajeito todos os meus projetos para que sejam encaminhados e possam evoluir durante a semana.

Também faço uma coleta mais ampla, tentando lembrar do que posso acrescentar de tralha e esclarecendo as minhas caixas de entrada (não é bom entrar em uma nova semana com caixas de entradas cheias). Para finalizar, dou uma olhada na minha lista de Algum Dia/Talvez e vejo se quero colocar algo em ação. Segue a minha checklist:

Foto: Checklist da revisão semanal no Todoist

Foto: Checklist da Revisão Semanal no Todoist

Essa, obrigatoriamente, tento fazer toda sexta-feira, porque sempre quando deixo para o final de semana acabo pulando. Mesmo que seja algo bem rápido, estou me policiando para fazer toda semana. O melhor horário é logo após o almoço, já que tenho tempo para resolver qualquer pendência e já tive uma manhã produtiva para fazer as atividades programadas.

Todo dia também tento fazer uma breve revisão, esclarecendo minhas caixas de entrada (quando ficam com alguns itens), selecionando algumas atividades para o dia seguinte, colocando no APP 30/30 o que pretendo realizar e também tirando um tempinho para uma coleta (sempre me forçando a passar tudo para o sistema).

Dessa forma, tem dado certo e tenho ficado bem feliz com o resultado. Sem dúvidas, estou mais produtiva e concentrada (muito também por conta do Facebook). Sei que o post ficou gigante, mas tentei passar para vocês cada etapa do GTD e como estou fazendo para ajudar quem está implementando.

Se ficarem com alguma dúvida, não tenham medo de me contatar e deixar um comentário. Assim posso ter até ideias de novos posts sobre a temática. Espero que vocês tenham gostado 😉 (eu particularmente amo ler posts gigantes e cheios de informação).

Como está o seu sistema atualmente? Tem alguma dica ótima para compartilhar com a gente?

Obs.: esse post contém link para a minha página de afiliados na Amazon. Ao clicar e efetuar a compra, você estará me ajudando a ganhar um dinheirinho. Conto com a sua ajuda e agradeço a contribuição 😉

 

Como uma simples atitude mudou a minha produtividade

facebook-produtividade

Foto: Reprodução/ Le Petite Madame

Esse título é daqueles que chama a atenção e você pensa que deve ser a maior bobagem do mundo ou que você já está careca de saber. Pode até ser que você ache isso, mas o que vou falar é algo que funcionou muito bem pra mim e achei que valeria a pena compartilhar.

Faz mais ou menos uma semana que excluí o aplicativo Facebook do meu celular. Eu já havia tirado ele do meu tablet e resolvi excluí-lo do celular também. É uma atitude bastante simples, mas fez uma tremenda diferença na minha produtividade.

Percebi que estava perdendo muito tempo olhando o Facebook e me perguntei se estava valendo a pena. Realmente, na minha opinião, não estava gastando com “bobagem”, mas estava a todo momento lendo coisas repetitivas que já estava bem consciente do que era.

A primeira coisa que fazia quando acordava era checar o Facebook e entre uma postagem e outra acabava perdendo, no mínimo, uma meia hora da minha manhã apenas fazendo isso. Era um tempo precioso e que comecei a perceber que não estava sendo bem utilizado. Depois, era só meu celular apitar, para qualquer notificação, que eu ia, inevitavelmente, parar no meu Facebook e lá se ia mais uma meia hora sem nem eu perceber.

Eu já tinha pensado no assunto algumas vezes, mas nunca tinha tido coragem de tomar essa decisão. Mas, um dia, depois de perder várias horas com o Face, decidi que aquilo não estava sendo saudável para minha rotina e que teria que eliminá-lo. Se me arrependesse depois, nada me impediria de baixá-lo novamente.

Sem o Facebook fiquei mais produtiva e concentrada

Após excluí-lo do celular, confesso que até esqueço que tenho Facebook porque dificilmente acabo entrando nele pelo computador. Ou seja, foi uma grande diferença e muitos minutos economizados.

Essa foi uma das várias atitudes que eu tomei para aumentar a minha produtividade nos últimos dias (percebi que estava procrastinando demais para concluir minhas tarefas, mas vou falar mais sobre isso em um outro post) e acredito ter sido a mais efetiva.

Além de aumentar a produtividade, percebi que me sinto mais concentrada. Quando me distraio com alguma notificação do celular, já volto rapidamente para o que estava fazendo, afinal, não há nada mais interessante no celular para fazer. Me pego muitas vezes olhando o celular, procurando algo para me distrair nele, mas acabo desistindo, pois já não há nada que me faça passar muito tempo nele.

Como ando economizando tempo, tenho feito diversas coisas que antes não arranjava espaço na minha agenda. Tenho estudado mais, visto séries e, o principal, reativei o blog. Ou seja, só há vantagens em ter eliminado o Facebook do celular. E não, não tenho sentido falta, sei que não estou perdendo muita coisa por lá. O sistema de visualização dos posts do Face sempre ajuda para mostrar o que de mais interessante aconteceu enquanto não passei por lá.

Se eu sugiro que você faça o mesmo? Sim, com certeza, não pense duas vezes. Aproveite para gastar esse tempo com coisas mais produtivas e interessantes. E, sempre que estiver com saudades do seu Face, entre nele pelo navegador do seu celular ou pelo PC.

Você testou isso? Qual foi a maior mudança que aconteceu em sua vida?

Rotina diurna: o que faço de manhã para meu dia render

Foto: Reprodução/ The Decorista

Foto: Reprodução/ The Decorista

Não adianta, se não sigo a minha rotina diurna tudo sai do eixo e não rendo nada o dia todo. Por isso achei que seria legal compartilhar com vocês o que faço de manhã para ajudar aqueles que têm dificuldade em acordar cedo ou para aqueles que trabalham em casa e não sentem que a manhã seja produtiva.

Para muitas pessoas, acordar cedo é um hábito quase impossível. Tem muitas pessoas que preferem ficar acordadas até tarde trabalhando para não precisarem levantar tão cedo no outro dia. Eu, definitivamente, nunca consegui render muito bem a noite. Meu sono é algo que me domina e me impede de pensar, por isso sempre preferi acordar mais cedo do que ficar acordada muito tarde.

No entanto, sempre gostei muito de dormir até tarde e só acordava cedo porque sempre estudei de manhã e tinha que ir para a escola/faculdade. Desde que terminei a faculdade, acordar cedo passou a ser um enorme desafio para mim, já que eram poucos os dias que tinha algum compromisso de manhã e, com isso, perdi esse costume. Passei a não ter um horário certo para acordar e isso prejudicava bastante o meu desempenho de manhã. Quando percebia, já estava perto do meio dia e não tinha feito nada.

O que faço pela manhã

Não me lembro ao certo há quanto tempo estipulei que 8h seria o horário máximo para eu acordar, mas desde então minhas manhãs têm sido muito mais proveitosas (exceto quando resolvo ver tênis e perco a manhã na TV – vantagem ou desvantagem de trabalhar em casa). Também tento sempre dormir oito horas por noite para que possa acordar bem disposta.

Ao acordar tenho o hábito não muito bom de checar o celular, ver Facebook e outras redes sociais. Isso acaba me roubando uma meia hora, mas é o tempo que levo para acordar de vez e ter disposição para levantar. Pulo essa parte quando tenho muita coisa para fazer no dia.

Depois vou tomar meu café da manhã e aproveito para dar uma checada no meu feed. Ler alguns posts logo pela manhã me ajuda a ficar mais inspirada e também mais disposta para encarar o dia que vem pela frente. Só depois disso que vou ligar o meu computador, trocar de roupa, escovar os dentes e começar o dia de verdade.

A primeira coisa que faço ao entrar no computador é checar meus e-mails. Sei que muita gente fala que isso é um tiro no pé da produtividade, mas para mim funciona. Gosto de ver minha caixa de e-mails sem e-mails e também aproveito este momento para responder e enviar alguns e-mails, já adiantando algumas tarefas do dia.

Depois disso, seja o que Deus quiser e que meu dia renda muito. Normalmente, quando cumpro esses hábitos minha manhã costuma ser bastante proveitosa. Tanto que deixo todas as atividades que necessitam de uma concentração maior para de manhã porque costuma ser o momento que me dou melhor para ler e escrever.

Meu checklist da rotina diurna

Foto: Reprodução/ Trendenser

Foto: Reprodução/ Trendenser

Vou compartilhar com vocês o meu ckecklist de rotina diurna. Isto abaixo é o que tenho fazer todos os dias úteis (final de semana eu dou uma trégua para essa rotina) e tem sido bastante útil segui-lo:

  • Acordar às 8h
  • Checar as redes sociais
  • Tomar café da manhã
  • Ler meu feed
  • Ligar o computador
  • Escovar os dentes, lavar o rosto, arrumar cama e trocar de roupa
  • Checar meu e-mail
  • Fazer atividades que necessitam maior concentração

Sugiro que você faça o mesmo e crie uma rotina para manhã. Fica tudo bem mais fácil e você se torna bem mais produtiva. A dica que a Thais do blog Vida Organizada dá é para sempre acordar em um mesmo horário, inclusive nos finais de semana, que isso ajuda o seu corpo a se acostumar e não sentir tanto quando tem que acordar cedo.

O que vocês fazem pela manhã que ajuda o seu dia a ser mais produtivo?

6 vantagens de trabalhar em casa

Foto: Reprodução/ The Every Girl

Foto: Reprodução/ The Every Girl

Em um dos primeiros posts que fiz nesta nova fase do blog, eu contava sobre asdesvantagens de trabalhar em casa. Fiz aquele post porque todo mundo acha que home office é só vantagem e não é bem assim. Há também algumas desvantagens e trabalhar em casa não é para todo mundo.

Mas já faz um tempo que venho pensando que preciso também compartilhar as vantagens de trabalhar em casa. Hoje tem tanta gente trabalhando de casa que parece ser  uma tendência do mercado de trabalho nacional (o que não sei se é bom ou ruim), por isso preciso pontuar as coisas boas.

Levanto esses pontos não apenas pela minha experiência, mas também por alguns relatos com a experiência de outras pessoas. Se você estiver pensando em começar a trabalhar em casa, minha dica é: leia este post e leia o post sobre as desvantagens. Compare-os e veja o que melhor combina com você.

1. Você pode fazer o seu horário

Se você é daquelas pessoas que rendem mais durante a noite, faça da madrugada o seu horário de trabalho, sem problemas. Se você teve algum imprevisto no dia anterior e teve que ficar acordado até mais tarde, não se preocupe, você pode sim dormir até mais tarde no dia seguinte. Do mesmo jeito que se você é daqueles que ama tirar uma sonequinha depois do almoço (EU!), fique à vontade. Afinal, quem faz o horário é você.

2. Você pode passar mais tempo com as pessoas que moram na sua casa

E isso inclui filhos, por exemplo. Tem coisa melhor do que poder ajudá-los com as tarefas (claro que tudo dentro de um limite porque você também tem que trabalhar). Como você trabalha em casa, por consequência, sempre estará perto e com mais tempo perto das pessoas que você ama.

3. Você pode trabalhar com a roupa que quiser

Você não precisa usar uniforme, muito menos passar calor porque tem que usar calça no trabalho. Você pode trabalhar de pijama, de shorts velho, de moletom, com cabelo desarrumado, do jeito que você quiser. Você não precisa se preocupar com isso e nem com outras preocupações que teria caso precisasse trabalhar fora de caso. Isso faz a gente economizar na roupa.

4. Você pode incluir compromissos mais pessoais na agenda da semana

Sua avó te chama para tomar aquele café da tarde na quarta de tarde e você não vai precisar falar não. É só se organizar e aproveitar aquelas horinhas. Você também não vai mais precisar pedir dispensa quando precisar ir em médico ou qualquer outro compromisso que seja no horário comercial. Isso é ótimo, só tome cuidado para não lotar a agenda com esses compromissos e esquecer do seu trabalho.

5. Você pode escolher onde quer trabalhar

Você não precisa ficar necessariamente trabalhando em casa o tempo todo. Você pode alugar espaços de coworking, pode ir em um café, biblioteca e até mesmo na praia ou em outro lugar que te proporcione concentração e que te possibilite trabalhar. Até porque muitas vezes as paredes de casa enjoam e você precisa de novos ares para ser produtivo.

6. Você não perde tempo com deslocamento

Para quem mora em cidades grandes e com muito trânsito esta é uma vantagem e tanto. Como você trabalha em casa, você não tem que se preocupar com o deslocamento, é só acordar e começar a trabalhar. Você também não gasta com transporte e economiza de mais uma maneira. Além de nunca ter problema de esquecer algo importante no escritório ou em casa, porque tudo estará em mãos.

Confesso que poderia citar mais algumas vantagens, mas de certa forma elas se encaixam em alguma destas categorias. E como fiz o post sobre as desvantagens com seis, também quis fazer este com seis para deixar igualado.

Acho que tenho que postar mais sobre isso, porque confesso que é algo que tenho bastante experiência, já que há algum tempo que trabalho/estudo tudo em casa.

Uma dica importante é que todas essas dicas vão por água abaixo se você não conseguir render no seu tempo de trabalho. Você está em casa, mas você precisa trabalhar ou fazer o que é prioridade para você naquele tempo. Não se perca nas vantagens e deixe elas te dominarem. Seja dono do seu tempo e faça ele ser útil para você.

Você trabalha em casa? Mais alguma dica para acrescentar?

GTD e desorganização: a hora de começar tudo de novo

Essa é uma série de posts que conto sobre a minha implantação e adaptação ao método GTD, desenvolvido pelo norte-americano David Allen e publicada no livro Getting Things Done (“A Arte de Fazer Acontecer”). Para acompanhar a série, basta clicar na tag “Minha experiência com o GTD“.

Foto: Reprodução/ Who What Wear

Foto: Reprodução/ Who What Wear

O post de hoje vai ser mais um desabafo para a gente começar esse ano de verdade. Como vocês já devem ter percebido pelos posts passados, tenho lutado constantemente contra a desorganização, a procrastinação e tentando ser a cada dia mais produtiva.

Pois bem, terminei o ano de 2014 bastante empenhada nessa missão. Mas hoje, depois de quase dois meses de 2015, percebo que ao invés de estar evoluindo, ando regredindo. O que acontece é que nunca consegui ficar plenamente organizada e, por isso, ao invés de manter, preciso sempre estar organizando tudo de novo.

Meu Evernote está uma bagunça, não tenho feito mais revisões semanais e até meu Todoist está com algumas tarefas atrasadas. Na esperança de buscar um sistema mais simples, acabei ficando sem sistema nenhum, essa é a verdade.

Mas já está mais do que na hora de voltar a evoluir e tentar colocar tudo em ordem. Por isso, pensei num passo a passo bem simples para eu ir colocando tudo nos eixos pouco a pouco.

  1. Para começar, amanhã vou fazer uma revisão semanal completa, olhando para todas as áreas e determinando metas para a semana seguinte. O que estava funcionando anteriormente vai voltar a funcionar agora.
  2. Quero organizar meu Evernote, tentando simplificar um pouco o sistema de modo que volte a ser eficiente e prático como tem que ser. Pretendo também dar uma digitalizada em alguns papéis que quero guardar e destralhar um pouco a minha pasta/fichário.
  3. Preciso terminar de organizar meu e-mail. Já criei um sistema de pastas bem interessante, agora só falta zerar a caixa de entrada (o que é quase impossível no meu caso). Também pretendo eliminar algumas assinaturas que enchem a minha caixa de entrada e acabam me desanimando para limpá-la.
  4. Eliminar ou realizar todas as tarefas atrasadas do Todoist e ver como ele vai funcionar neste novo sistema que pretendo organizar. Já falei por aqui que quero deixar no Todoist todas as tarefas, mas acho que do jeito que ando organizando não está sendo eficiente e sim bastante trabalhoso.
  5. Quero acrescentar um caderninho porque sinto muita falta de escrever, mas ao mesmo tempo, não quero perder mil anos gerenciando tudo isso. Vou gastar um tempinho pensando em como posso inserir esse caderninho de maneira eficiente. Este post da Camile Carvalho me deixou ainda com mais vontade de ter um caderninho para me ajudar na organização.
  6. Quando o sistema estiver montado e organizado, pretendo ter uma hora fixa todo dia para fazer ele acontecer, sempre coletando, processando, organizando, revisando e fazendo acontecer, já que o GTD é realmente o melhor método de organização e eu pretendo ser cada dia mais organizada com ele.

Assim que eu perceber que o sistema está funcionando, venho aqui compartilhar tudo com vocês. Pelo jeito, acho que o GTD é um constante aprendizado, já que é impossível achar um sistema ideal que funcione sempre, acho que depende muito do momento.

Me desejem força porque sei que vou precisar! E vocês, já tiveram que voltar atrás e começar tudo de novo como farei?

Manual completo para arrumar mala: seu carnaval com uma mala prática

Foto: Reprodução/ ModCloth

Foto: Reprodução/ ModCloth

Este post é dedicado a quem não vai passar o Carnaval em casa e precisa arrumar uma mala para os próximos dias. Sei que arrumar mala não é tarefa fácil, aliás, arrumar mala é algo muito chato. Toda vez que tenho que arrumar mala sofro um monte. É quase impossível escolher o que a gente vai querer usar nos próximos dias.

Eu viajo bastante, em média, uma vez a cada 15 dias e, por isso, tive que aprender na marra como arruma mala com praticidade e rapidez. Acredito que o maior segredo de arrumar uma mala é ter consciência de quantos dias vamos passar no lugar, aonde vamos e quantas peças são necessárias para ficar esses dias fora.

Isso quer dizer que não adianta você querer levar o guarda-roupa inteiro se você só vai usar três peças. Eu hoje sempre prezo pela menor mala possível, até porque sei que é muito pior desarrumar mala do que arrumar. Tento levar apenas o que vou usar e quando vejo que está sobrando muita peça, já fico atenta para colocar menos itens na próxima mala.

Uma dica infalível é se propor a encaixar tudo na menor mala que você tem na sua casa. Eu, por exemplo, levo tudo em uma mochila. Claro, eu só passo um final de semana fora e, por isso, não preciso mais disso. Mas para um feriado não é necessário uma mala muito maior do que uma mochila. E se só vai levar uma mochila, faça caber tudo o que quer levar dentro.

Outra dica que eu sempre penso, mesmo em viagens maiores é só levar o que consigo carregar. Gente, já tive muito que ir para rodoviária de ônibus e não há nada pior do que levar mais coisa do que conseguimos carregar. Por isso, acredito sempre que se couber nos braços, está ok, se não conseguir carregar sozinha, tenho que levar menos coisas. E isso também inclui peso de mala/mochila, afinal ninguém quer carregar algo que não consegue aguentar, por isso, fique atento.

Ter em mente o que fará no lugar e planejar o que vai usar é um truque infalível. Isso irá evitar levar roupas desnecessárias, que não combinam com seu planejamento. Por exemplo, para que levar salto alto se você não vai querer usá-lo nenhum dia? Seja objetiva na mala, isso ajuda e muito.

Não conte com um milhão de possibilidades. Faça seu planejamento e tente segui-lo. Claro que é sempre possível que no dia você não queria usar aquela roupa ou o tempo mude, mas aí é que está o maior erro das malas. Não imponha muitos “se”, confie na previsão do tempo (eu já estou especialista nisso) e naquilo que você se propôs a fazer nos dias que passará fora. Se algo mudar, acredite, você dará um jeito.

Faça a mala e pare de pensar nela ou então você vai acabar acrescentando coisas desnecessárias. Eu sei, é difícil, a gente sempre acha que vai precisar de mais uma coisinha, mas não vai. Tudo o que você acrescentar depois que já fez a mala será algo supérfluo e que apenas vai pesar e fazer volume na mala.

5 dicas infalíveis para não esquecer nada

Foto: Reprodução/ Mulher

Foto: Reprodução/ Mulher

O maior medo de fazer mala é esquecer algo importante, por isso, fiz uma listinha que funciona para mim e provavelmente funcionará para você também, confira:

  1. Anote o que precisa levar: só faço isso quando estou com tempo sobrando, mas ajuda muito, principalmente que não tem tanta prática em arrumar mala
  2. Vai pegando o objeto conforme for usando: ou seja, usou o desodorante pela última vez, coloque já na necessaire e assim com todas as outras coisas fundamentais
  3. Coloque primeiro na mala tudo aquilo que é essencial: você não vai esquecer das roupas, mas a possibilidade de esquecer roupas íntimas é grande
  4. Dê sempre uma última checada: olhe no guarda-roupa, no banheiro, na estante e veja se não esqueceu nada fundamental antes de fechar a mala
  5. Deixe tudo próximo: tudo o que você for levar e que não estiver dentro da mala, coloque perto na mala, em cima de preferência, para que você não esqueça de levar esses itens

Como evitar que as roupas amassem

Depois de já ter definido o que precisa levar e preparado tudo o que é essencial, é hora de colocar a mão na massa e realmente fazer a mala. Missão impossível: levar tudo o que quer e chegar no lugar com as roupas impecáveis, sem estar amassadas. Será que é possível?

Primeiro, existem peças que não são feitas para a mala e só de olhar para o lugar elas vão amassar, não adianta. Se você não contar com um ferro no destino, esqueça! A não ser, claro, que você possa levar no carro esticadinha. Mas caso você vá de carona, ônibus ou avião, deixe a roupa em casa.

Agora se é algo impossível e que você quer de qualquer jeito levar, vá com a roupa no corpo. Obviamente vai amassar um pouco por conta da viagem, mas bem menos do que ficar na mala. Se você levou uma peça e ela acabou amassando, uma dica é pendurá-la em um cabide e colocá-la no banheiro enquanto você toma banho. O mormaço ajuda a alisar a peça.

Outra dica para evitar amassar peças que sejam mais finas é colocar as roupas pesadas embaixo, como jeans, tricot, etc. Lembrando que também uma mala não tão cheia significa roupas menos amassadas. Dobre-as direitinho e mantenha essas peças mais finas o mais esticado possível. Peças de malha que não amassam tanto, faça rolinhos, isso evitará de amassar e também dá para aproveitar melhor o espaço na mala.

Arrumar mala requer muita prática, alguma paciência e uma dose de equilíbrio. Lembre-se que a melhor mala é aquela que você carrega o essencial e não a que você leva o guarda-roupa inteiro!

Alguma dica sobre como arruma mala?